Accueil       Ordo       Honoraires messes       Lieux de culte       Nous aider       Dons en ligne       Sommaire       Contact       Liens       Rechercher       Privé   

Les insolites de LPL

   Carta aos amigos e benfeitores


Mgr Fellay, Supérieur Général de la FSSPX

 

Caros Amigos e Benfeitores,

RADIÇÃO E MODERNISMO

omentando um incidente surgido durante o Concílio Vaticano II, relacionado com a colegialidade, Mons. Henrici declarava que tal incidente «ilustra claramente o afrontamento de duas tradições diferentes da doutrina teológica, que não podiam, no fundo, compreender-se mutuamente.» Esta pequena frase não é anódina; na sua brevidade, descreve a grande tragédia que fustiga a Igreja há quarenta anos. Dois pensamentos opostos, dois pensamentos que não podem compreender-se, entregam-se a um combate sem piedade, cujo objectivo é a direcção da Igreja.
Quinze anos após o Concílio, o Papa Paulo VI exprimia quase o mesmo pensamento ao seu amigo Jean Guitton. «Há uma grande confusão actualmente na Igreja, e o que está em questão é a fé. O que me assusta, quando considero o mundo católico, é que, no interior do catolicismo, parece prevalecer, por vezes, uma corrente de pensamento do tipo não católico, e pode acontecer que esta corrente não católica triunfe amanhã no interior do catolicismo, mas jamais representará o pensamento da Igreja. é preciso que subsista um pequeno rebanho, por mais pequeno que seja.» Anteriormente, o Papa perguntava-se se estávamos no fim dos tempos.
Na sua declaração de 21 de Novembro de 1974, exprimindo a sua adesão inquebrantável à Roma eterna e a sua rejeição, igualmente determinada, da Roma modernista, Mons. Lefebvre não dizia coisa diferente.
Só pode ficar-se surpreendido com a concordância das análises feitas pelos três personagens atrás citados, sobretudo pelo facto de virem de horizontes profundamente diferentes. Os três verificam a existência de uma rivalidade extraordinária entre duas maneiras de ver, duas Weltanschauung (visões do mundo) incompatíveis, no seio da própria Igreja Católica. Um desses pensamentos não é mais do que o ensinamento tradicional católico, o que a Igreja ensinou sempre e em toda a parte: a fé católica com todas as suas implicações práticas. O outro é um pensamento moderno, denunciado por São Pio X como um modernismo agnóstico e evolucionista, e que, de ameaça que era no princípio do século XX, se transformou em verdadeira chaga, que gangrena toda a vida da Igreja, na segunda metade desse mesmo século XX. Este pensamento de tipo não católico, triunfou efectivamente quando do concílio. Depois, paralisou a vida da fé, a vida sobrenatural, pela quantidade de reformas impostas à Igreja em nome do espírito do Concílio Vaticano II.
Existe uma lógica, uma coerência em todo o sistema de pensamento; e todo o sistema de pensamento tende a uma realização concreta, a uma acção. Assim, está na natureza das coisas que este conjunto de esforços, que se chama reformas pós conciliares, reflectindo o espírito do Vaticano II, provocasse o desastre de que a Igreja sofre depois do concílio. Este pensamento é por si estranho à Igreja. Por alguma pequena fenda o fumo de Satanás penetrou no templo de Deus. Enfarpelada de pompa eclesiástica, entende fazer-se passar hoje como a norma católica. Por causa da nossa oposição a este novo sistema, fomos condenados. A Tradição Católica que nós partilhamos, foi rejeitada da vida da Igreja, pelo menos marginalizada, depreciada como obsoleta.
Para disso nos darmos conta, consideremos, por exemplo, a profundidade das mudanças impostas à vida religiosa, esta tão preciosa flor da via dos conselhos de Jesus, que exprime, ao comum dos fiéis e aos homens do mundo inteiro, o afastamento do mundo como caminho da perfeição cristã: Se alguém quer ser Meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Venda todos os seus bens... O que em grande parte foi perdido na vontade de reforma da vida religiosa e da sua adaptação ao mundo de hoje, não foi apenas o afastamento físico do mundo, objecto dos conselhos evangélicos, mas antes de tudo e mais profundamente, a rejeição do mundo que a Igreja pede nas promessas do baptismo, com todas as suas exigências necessárias à salvação. Esta perda verifica-se em inumeráveis detalhes da vida das Congregações religiosas, como, por exemplo, a supressão do uso do hábito.
é preciso dizer a mesma coisa da vida sacerdotal. Aquele pensamento estranho à Igreja que nela se introduziu, desestabilizou profundamente um elemento ainda mais profundo e mais necessário à vida do Corpo Místico: o sacerdócio. A perda da noção de sacrifício para reparação dos pecados, a perda do sentido do sacrifício e até a rejeição da cruz entre um número impressionante de padres, estão intimamente ligadas a este novo pensamento que produziu uma nova missa, o Novus Ordo Missae. O mesmo se diga de todas as reformas. Tudo se assemelha. Com uma medonha lógica interna. Sim, é preciso dize-lo e repeti-lo, as desordens impostas à vida da Igreja desde o Concílio, são frutos da irrupção no seu seio de um pensamento estranho e destruidor da especificidade católica.
O mais trágico desta situação vem deste pensamento não católico ser como que assumido pela autoridade da Igreja e imposto em nome da obediência, o que tornou a sua difusão infelizmente tão eficaz, e impediu uma reacção normal de oposição em todo o Corpo Místico contra o mortífero veneno.

 

AENCÍCLICA SOBRE A EUCARISTIA E A MISSA DE 24 DE MAIO

uando consideramos os acontecimentos destes últimos meses, parece-me importante lembrar esta trágica trama da nossa História. Com efeito, o nosso critério de julgamento para apreciar os acontecimentos da Igreja e do mundo deve incluir, necessariamente, este dado fundamental: só podemos estimar como válidos, determinantes e verdadeiramente bons, os acontecimentos que influem realmente nesta trama. Para ser claro, cremos que Roma faz verdadeiramente um gesto para com a Tradição, se e quando aquela, de uma maneira ou doutra, inflectir e corrigir a linha geral antitradicional que continua a empestar a Igreja.
A nova encíclica sobre a Sagrada Eucaristia, sofreu esta influência? Apesar das aparências e dos felizes chamamentos ao Concílio de Trento, apesar da denúncia de certo número de abusos, tudo boas coisas em si e que saudamos com alegria, o pensamento de fundo e o conjunto de circunstância que acompanham a encíclica fazem-nos responder: infelizmente, não. A missa a que se refere a encíclica de uma ponta à outra, é a nova missa, a missa reformada em nome do Vaticano II. Isto diz tudo. Tal implica vontade de modificações cosméticas e superficiais, e não a mudança radical absolutamente necessária para «voltar à Tradição». Em nenhuma parte se encontra o questionamento, mesmo parcial, das reformas litúrgicas, mesmo que admitindo erros, abusos, etc.. Esta encíclica entende não voltar atrás, entende somente ordenar, de maneira menos má, a doutrina sobre a Sagrada Eucaristia. Se se está disposto a mudar a compota, recusa-se a priori mudar a fatia de pão bolorento na qual se coloca a dita compota. Assim, o conjunto continua indigesto e perigoso para a saúde.
A missa celebrada pelo Cardeal Castrillon Hoyos em 24 de Maio, na Basílica de Santa Maria Maior, com a qual nos regozijamos, seria o sinal de regresso? Seria de interpretar como uma insuficiente expressão de uma firme vontade de mudar o curso desastroso dos acontecimentos? Por falta de convicção, por medo da oposição progressista, o belo gesto permanecerá um gesto único, e não o feliz anúncio da libertação da missa, tão esperado pelos fiéis da Tradição: ao padre assistente dessa missa, que teve a honra de acompanhar o cardeal ao altar, ainda que munido do "Celebret" Ecclesia Dei, foi-lhe recusada, nessa mesma manhã de 24 de Maio, a celebração da Missa Tridentina em São Pedro. Eis o que é eloquente.
Existe, assim, uma mistura incompatível de antigo e de moderno - pelo menos é assim que vemos à luz da Tradição. Mas o espírito moderno, para quem o princípio da não contradição é intragável, não o entende como nós: absorve os dois elementos antagónicos. Aceita o contraditório; com uma condição, no entanto: que o antigo renuncie a rejeitá-lo, que renuncie à exclusividade.
O carácter contraditório encontra-se de maneira estrepitosa - na encíclica - na questão da admissão dos não católicos à Comunhão. A distinção entre grupo (a quem se recusaria a Sagrada Eucaristia, porque fora da comunhão eclesial) e indivíduo (ao qual se pode dar, se crê na Sagrada Eucaristia), não é aceitável. Porque a fé e a comunhão eclesial são independentes da questão de grupo.
A teologia ensina que a negação de uma única verdade da fé basta para suprimir toda a fé (cf. Pio XII, dogma da Assunção). E, portanto, não se pode dizer do não católico, que rejeita certos dogmas, que teria objectivamente a «fé na Sagrada Eucaristia» e que esta condição seria suficiente para receber a Comunhão.

 

RELAÇÕES COM ROMA

ncontramos o mesmo problema quanto às nossas relações com Roma. Se Roma está disposta a receber-nos e até a isso nos convida, é nesta nova perspectiva, liberal e pluralista, que aceita que pontos de vista contraditórios possam coexistir (pois ignora a contradição). Não se trata aqui de aceitáveis opiniões divergentes, e que fazem a riqueza da Igreja na sua diversidade. Trata-se de um pensamento não católico, que quer a todo o custo fazer-se aceitar por e para nós.
A fé católica, pelo contrário, é exclusiva, como toda a verdade; não pode conceder direitos ao seu contrário, mesmo que circunstâncias exteriores, com vista ao bem comum, requeiram por vezes a tolerância.
Estamos conscientes que a nossa exposição é um pouco esquemática. Quando falamos da Roma moderna ou da Roma actual, é preciso acrescentar que esta não é modernista de modo monolítico, e que, na mesma Roma, um certo número de prelados quer reagir contra esta catástrofe; mas, até aqui, tudo indica que a linha directora continua, ainda, a das reformas pós conciliares, em nome do concílio intocável. Subsiste implicitamente ou explicitamente que é sempre o concílio e a nova missa - como norma actual e geral da vida católica - que Roma entende impor-nos. é bem o pensamento estranho, de que falamos mais atrás, que querem ainda e sempre fazer-nos aceitar. Roma faz dele a condição sine qua non da nossa regularização. Então, não nos resta mais do que continuar a greve de fome (das novidades), até que, enfim, Roma queira dar-nos - e a todo o Corpo Místico - o pão nutritivo da Tradição Católica, que pedimos nesta noite já muito longa. Mas nunca nos cansaremos de batalhar. é o Senhor que nos ensinou a proceder assim. E Ele tem as palavras da Vida eterna. Cremos que Ele é Todo-poderoso, cremos nas Suas promessas.
Digne-se Nossa Senhora, Mãe da Igreja, tão nobre e tão maternal, proteger-nos e conduzir-nos pelos caminhos da paciência e da fidelidade e, cum prole pia, abençoar-vos abundantemente.

Na Festa do Preciosíssimo Sangue, 1 de Julho de 2003

† Bernard Fellay

 

 


Vendredi 29 août 2014
07:05 20:38

  Suivez notre fil RSS

  Recevez par email nos mises à jour

Loading

Rome et la FSSPX : sanctions, indults, Motu proprio, levée des excommunications, discussions doctrinales...
La Porte Latine a fait la recension de près de 700 textes concernant la crise de l'Eglise et ses conséquenes sur les rapports entre Rome et la FSSPX.On peut prendre connaissance de l'ensemble ICI


Carte de France des écoles catholiques de Tradition
La Porte Latine vous propose la carte de France des écoles de Tradition sur laquelle figurent les écoles de garçons, de filles et les écoles mixtes. Sont mentionnées les écoles de la FSSPX et des communautés amiesVoir ICI


Intentions de la Croisade Eucharistique pour 2014
La Fraternité Sacerdotale Saint Pie X se propose de reconstituer en son sein une Croisade Eucharistique des Enfants, restaurant ainsi ce qui fût autrefois une oeuvre impressionnante tant par sa mobilisation que par son rayonnement spirituel.Tous les renseignements sur la Croisade ICI